Página inicial / Blog / Água, saúde e descarte de medicamentos
/ 10h08 Por Redação

Água, saúde e descarte de medicamentos

Jogar remédio pelo ralo ou vaso sanitário não é a solução correta

Água, saúde e descarte de medicamentos

O bem-estar humano está vinculado à saúde animal e vegetal.

No mês em que comemoramos o dia mundial da água - vital para a existência humana - e depois de uma longa pandemia, durante a qual centenas de toneladas de medicamentos foram utilizados, é preciso refletir sobre como lidamos com o descarte destes resíduos.

Além dos remédios de uso humano, vale lembrar dos antibióticos e hormônios utilizados na pecuária.

Mas o que fazer quando o remédio perde a validade ou já não é mais necessário? Muitas pessoas acham que jogar remédio pelo ralo da pia ou vaso sanitário é a solução correta.                         

Não sabem, contudo, que isso prejudica seriamente o meio ambiente e pode contaminar a água que bebemos. "Os impactos que [esses medicamentos] podem ocasionar à saúde e ao ambiente ainda não são bem compreendidos”, alerta Ana Carla Coleone de Carvalho em pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo.

A pesquisa de Ana Carvalho identificou fármacos como haloperidol, ibuprofeno, paracetamol, sinvastatina, atenolol, carbamazepina em água bruta e tratada em estação de tratamento convencional. Algumas destas substâncias presentes na água bruta não foram removidas pelo tratamento convencional da água.

A presença de fármacos em água destinada ao consumo humano deve-se muito à excreção pelas fezes e urina. Mas não apenas. O descuido na hora do descarte contribui para aumentar as concentrações de substâncias químicas em águas superficiais.

"O descarte correto dos remédios é fundamental para a preservação do meio ambiente e da saúde pública. Hoje, as estações de tratamento e esgoto não preveem o tratamento de diversas substâncias presentes nos fármacos, por isso o melhor caminho é destinação correta de medicamentos", explica Lucas Barbosa, Engenheiro Ambiental e Sanitarista do Grupo Servioeste.

Medicamento em desuso deve ser tratado por empresa especializada

Pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul identificaram que a presença de hormônios e anticoncepcionais em rios vem alterando a distribuição de machos e fêmeas de peixes e anfíbios nos locais próximos às fontes de contaminação, por exemplo. Ainda que as concentrações sejam muito pequenas a ponto de não gerar risco direto à vida humana, o meio ambiente aquático vem sofrendo consequências desastrosas já que estas substâncias afetam toda a cadeia alimentar dos animais, além de potencializar a resistência antimicrobiana, explica Tânia Pizzolato, do Instituto de Química da UFRGS. 

Também o uso de antibióticos em animais de corte (proteína animal) e na agricultura gera uma pressão seletiva que tende a selecionar os microrganismos multirresistentes e afetar a saúde humana, animal e vegetal, relata Tiago Danelli, pesquisador da Universidade Estadual de Londrina.

Para evitar problemas de saúde coletiva, é preciso compreender que a solução passa pela responsabilidade e cuidados com os produtos utilizados: Remédios de consumo humano e animal, sejam de uso doméstico ou utilizados em clínicas médicas, hospitais, veterinárias, ou pela indústria de proteína animal, devem ser tratados por empresas especializadas.

Assista ao vídeo sobre descarte de medicamentos. 


Envio

Nossos Produtos

Bombona para acondicionamento de resíduos

Tamanhos: 50, 200 litros

R$ 138,00

Bombona para resíduos líquidos

Tamanhos: 20, 50 litros

R$ 45,00

Coletor para perfurocortantes amarelo

Tamanhos: 3, 7, 13, 20 litros

R$ 82,00

Coletor para Perfurocortantes para químicos

Tamanhos: 7, 13 litros

R$ 15,50